Hal Lindsey acredita que a pressão exercida pela  Autoridade Palestina para o reconhecimento de um Pais, pelas Nações Unidas está vinculado a profecias bíblicas. E é mais uma prova de que nós os cristãos estamos vivendo nos  Últimos Dias.

Hal Lindsey: Desde que Israel  foi declarada uma nação soberana o pais tem enfrentado “muitas ameaças letais à sua própria existência, que são consistentes, com as profecias de Zacarias, Ezequiel e Isaías todos apontam para o cumprimento destes Últimos Dias.

Em um 16 de setembro artigo publicado em seu site Lindsey  refere-se a manifestações na praça Tahrir, no Cairo, Egito , onde centenas de pessoas protestaram contra a Lei dos militares de emergência. A política tem sido descrita pela Anistia Internacional como a maior ameaça para os direitos humanos do país desde que o presidente Hosni Mubarak foi derrubado, segundo o The Washington Post.

Lindsey explica, “Centenas deles (manifestantes) atacaram o prédio, derrubaram as paredes de concreto, e violou o consulado. Eles saquearam arquivos, destruiu o escritório, queimaram a bandeira de Israel, e chegou um  momento de linchamento dos seis guardas de segurança de Israel … “

Lindsey, cujo seus estudos abrangem principalmente as profecias e questões de fim dos tempos, também menciona que ocorreram revoltas em potencial devido as Organização das Nações Unidas reconhecerem a Palestina como um Estado membro. Os críticos afirmam que o impulso da palestina para um Estado é essencialmente um ataque contra Israel.

Israel já lançou novas medidas de segurança no local, ja que comícios eram esperados durante todo o dia sexta-feira, quando o presidente palestino, Mahmoud Abbas é esperado para se pronunciar na Assembléia Geral da ONU.

Os palestinos “pedem o reconhecimento e um retorno às fronteiras que era destinada a eles antes da guerra de 1967. Entre os territórios que estariam incluídos é  o da Jerusalém Oriental, que os palestinos vêem como parte da Cisjordânia e que os israelenses vêem como a capital do país.

Ele cita Ezequiel 37:21-22 e se refere à criação do Estado de Israel em 1948 como cumprimento da profecia bíblica.

Ele continua a dizer: “Os profetas Zacarias, Ezequiel e Isaías profetiza todos os que, nos últimos dias, uma nação renasce de Israel vai encontrar-se sozinho e sem amigos de costas para o mar, cercado por inimigos sem ninguém e em nenhum lugar para se virar. “

Lindsey fecha suas observações se perguntando se os “últimos dias” ainda não chegaram até nós.

A interpretação de Israel como fundamental para determinar o fim dos tempos na teologia, tem sido um assunto bem quente dentro da comunidade evangélica, como aqueles a favor e contra tal posição ambos afirmam ter apoio bíblico.

De acordo com uma pesquisa global de líderes evangélicos(americanos), 48 por cento dos evangélicos dizem que o estado de Israel é um cumprimento da profecia bíblica sobre a Segunda Vinda de Jesus, enquanto 42 por cento dizem que não é.

A pesquisa, publicada em junho pelo Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, revela que 34 por cento dos evangélicos simpatizam com Israel, enquanto 11 por cento simpatizam com os palestinos.

A pesquisa também descobriu que a maioria dos evangélicos também acreditam que a aliança de Deus com o povo judeu continua hoje (73 por cento).