Mudança de planos! A campanha contra a AIDS no carnaval 2012 promovida pelo Ministério da Saúde vai exibir o vídeo apresentado por dois jovens – um homem e uma mulher – que falam sobre a doença e apresentam dados.

Não haverá um casal homossexual, como o vídeo postado no site do Ministério da Saúde e retirado em seguida. Foi um erro, segundo a pasta, ter disponibilizado o vídeo no site. A retirada gerou críticas de entidades da sociedade civil de combate à aids e é vista como um recuo do governo.No vídeo para a rede nacional de TV, o rapaz e a garota falam sobre a incidência da aids, o aumento de 10% de casos da doença entre os jovens gays e o uso regular de preservativos por apenas 43% dos jovens.


Revolta

O deputado federal pelo Rio, Jean Wyllys, divulgou uma nota condenando o veto à propaganda voltada a gays feita para o carnaval pelo Ministério da Saúde.

O parlamentar disse que solicitou, como integrante do Poder Legislativo, explicações oficiais do Ministério da Saúde sobre o caso. O vídeo foi retirado do site do órgão.

Até a semana passada, a promessa era que o vídeo fosse veiculado na TV e agora corre o risco que a propaganda seja exibida apenas em locais gays.

O texto mostra a indignação de Wyllys: “Não serei cúmplice dessa hipocrisia e homofobia mascarada (…). Ora, se verdadeira a denúncia (…) trata-se de um nocivo equívoco, já que o próprio Ministério divulgou dados epidemiológicos apontando aumento da incidência de DSTs/AIDS em jovens homossexuais masculinos.”

O deputado continua: “O vídeo não deve estar restrito aos guetos gays, como propôs o Ministério, afinal, nós, LGBTs, não estamos restritos a guetos. Queira o ministro Padilha ou não, nós somos parte da sociedade.

O Estruturação – Grupo LGBT de Brasília, disse: “É inaceitável o mesmo ministério que reconhece o fato de a epidemia de aids dentre gays ser alta tirar do ar uma propaganda que contribuiria para diminuir os casos de transmissão. Nada explica tal ação, a não ser um conservadorismo moral que não combina com uma democracia e com o bem da saúde pública.”

A polemica  a semana passada, representantes da sociedade civil organizada acusaram  o Ministério da Saúde de ter vetado um filme preparado para ser transmitido na TV, mas que por mostrar um casal gay se acariciando (assista aqui) teria sido desaprovado pela Presidência da República para evitar atritos com parlamentares evangélicos, assim como ocorreu no ano passado em relação ao kit anti-homofobia.

Comentário: Mais uma vez tentaram fazer propaganda de que a união gay, e algo normal, uma vez que não é seguro a prática de sexo anal sem preservativo, pois não é algo natural se fosse saudável e natural não precisaria de preservativo.

Engraçado que até dos argumentos mais batidos contra os gays de que eles possuem uma alta taxa de aidéticos, o que eles querem mesmo é aparecer colocar o beijo gay em rede nacional e incutir na mente da população que o relacionamento homossexual é normal basta usar camisinha.