Texto bíblico – Genesis  28.10-15

1- A FAMÍLIA DE JACÓ

Jacó era filho de Isaque e neto de Abraão.

Observações importantes acerca do nascimento de Esaú e Jacó.

•Rebeca era estéril. Imagine o grande conflito que foi vivido por Isaque e Rebeca. Ambos sabiam da promessa de Deus que havia sido feita a Abraão; contudo, eles estavam diante deum grande obstáculo: Rebeca era estéril. A Bíblia nos mostra que Isaque orou ao Senhor pela esposa e Deus ouviu a sua oração. Vemos de forma maravilhosa mais uma vez o Senhor manifestando a sua glória e fazendo cumprir seu maravilhoso plano.

•Duas nações no ventre de Rebeca.A Palavra de Deus nos mostra a realidade de gêmeos que lutavam no ventre da mãe. Vemos de forma maravilhosa o Senhor de forma soberana, declarando a Rebeca mais uma vez os seus intentos: “Duas nações há no teu ventre, dois povos,nascidos de ti, se dividirão: um povo será mais forte que o outro, e o mais velho servirá ao mais moço”.

•O suplantador O nome Jacó significa: “suplantador ou enganador”. A palavra no sentido literal quer dizer: “aquele que segura o calcanhar”. O nome foi dado ao filho em razão da forma do parto. Os filhos lutavam no ventre e ao nascer Esaú saiu primeiro tendo agarrado ao seu calcanhar o irmão.

Família tem problemas, e estes problemas estão dentro de cada um de nós. Quando um homem e uma mulher resolvem constituir uma família, estão juntando dois estilos diferentes de vida, de opinião, cultura, projetos, idéias e situações. No contexto da família, a crise é iminente, mais dia, menos dias, a crise bate a porta. Na vida do casal Isaque e Rebeca, infelizmente, não foi diferente, mas Deus quer nos ensinar através deste exemplo. Vamos compreender o que falhou nesta família:

1.       Quatro fatores de crise

a.       Pecado, representado pelo orgulho, inveja, insegurança e falta de lealdade,  
b.      Os pais ao escolherem um filho preferido
c.       A natureza competitiva dos filhos
d.      Influências externas

2.       A Crise aconteceu

a.       Esaú deu valor ao que é passageiro, ao invés daquilo que é eterno
b.      Jacó se aproveitou de uma fraqueza do seu irmão para alcançar a bênção
c.       Rebeca foi ardilosa ao tramar a forma de tomar a bênção, enganando seu filho e seu esposo;
d.      Jacó foi frio e calculista e sem qualquer peso moral ao tomar a bênção – ele tinha medo de ser descoberto, mão não teve vergonha de pecar contra Deus e seu pai.
e.      Isaque  é um homem totalmente dominado pela sua esposa rebeca;
f.        Isaque se mostra um homem precipitado, achou que ia morrer, quando Deus ainda lhe deu mais 37 anos de vida – não foi prudente no relacionamento com seus filhos;

3. As consequencias destes desastre

a.        ódio, brigas na família, separação, tristeza – Gn 27.41-45.
b.      O pecado sempre traz conseqüências, ainda que não sejam imediatas.
c.       Rebeca terminou aflita por seus filhos (27.45).
d.      Esaú se torna um homem amargurado e rebelde;
e.      Jacó e Esau passaram longos 20 anos afastados.
f.        Jacó nunca mais viu a sua mãe

4.       Mas Deus estava trabalhando para resolver o problema

a.       Deus nunca faz de conta que os nossos erros são simples – somos responsáveis quanto tomamos atitudes erradas no passado na nossa família;

2- A PRIMOGENITURA


No contexto cultural da época, o valor dado ao primogênito era muito grande. O sistema era patriarcal. Naturalmente em razão da morte do pai, o filho primogênito assumia todas as responsabilidades em lugar do pai. Além do direito de  primogenitura o filho mais velho recebia também a bênção do pai antes de sua morte. Nos dias de hoje serviria como um testamento e documentação passando os direitos para o herdeiro principal.
•Escolhas diferentes.“Esaú saiu perito caçador, homem do campo; Jacó, porém, homem pacato,habitava em tendas.” (Cap. 25.27)

•Isaque amava mais a Esaú e Rebeca amava mais  a Jacó. (Cap. 25.28)Vemos de forma clara um conflito familiar instaurado. Isaque tinha a autoridade de patriarca para abençoar a Esaú. Ele amava o filho. Contudo, diante de talrealidade vemos Deus agindo de forma soberana fazendo cumprir os seus planospara que a promessa feita a Abraão fosse cumprida.

•Esaú vende o seu direito de primogenitura por um prato de guisado. (Cap.25.29-34)- Esaú um homem impulsivo. (v.30)No texto em hebraico a indicação é de um pedido apressado e impulsivo.Um pedido de alguém vive para o momento. A realidade da impulsividade de Esaú é também revelada no versículo 32. Com toda a certeza, o viver de Esaú não indicava a realidade de alguém que estivesse preocupado com as coisas do Senhor. Jacó aproveita o momento de fraqueza do irmão para propor a compra do direito de primogenitura e consegue comprá-lo (v. 31-34)

Muito se tem questionado acerca das atitudes de Jacó e a relação delas com os  valores de Deus. O que vemos era que Esaú era um homem profano, um impulsivo homem do campo que com visão curta, preferiu optar por satisfazer seu apetite a primar pela herança futura da família. Jacó mesmo sendo desonesto tinha uma visão ampla do valor da herança. Deus em sua onisciência já sabia que Jacó estaria sendo moldado e trabalhado por sua vontade. Ele o Senhor soberano sabia que Jacó um dia se transformaria em Israel.

3- Presença de Deus

Jacó agora é um fugitivo e tem que enfrentar aquilo que semeou. Parte para uma terra distante, Padã-Arã, onde viviam seus parentes.

Jacó morava (Canaã, atual Palestina) e para onde fugiu de Esaú (Padã-Arã na região de Harã, atual sul da Turquia(na Siria))

Comentarios da Biblia Diario Vivir (ESP)
Gn 28.10-15

A Jacó também foi oferecida a promessa do pacto de Deus com o Abraão e Isaque.
Mas não bastava ser o neto de Abraão. Jacó teve que estabelecer uma relação pessoal com Deus. Deus não tem netos: todos temos que estabelecer uma relação pessoal com Senhor. Não basta escutar histórias maravilhosas a respeito dos cristãos de nossa família. Cada qual tem que chegar a ser parte da história (veja-se Gal 3:6-7).

Albert Barnes –Notas Bíblicas
Gen_28 :10-22

O Sonho de Jacó e seu  voto.

O relato se dá  quando ele foi a caminho de Harã, e já era  noite, então ele resolve dormir no campo. Ou ele estava longe de qualquer habitação, ou ele não queria entrar na casa de um estranho.
Ele sonha. E vê uma escada  que vai da terra ao céu, pela qual os anjos sobem e descem. Este é um meio de comunicação entre o céu e a terra, pela qual os mensageiros passar para lá e para cá em missões de misericórdia. O céu e a terra foram separados pelo pecado. Mas essa escada restabeleceu o contato. É, portanto, um sinal bonito do que intermedia e concilia João 1: 51.

Isso serviu  para que Jacó passasse a ter contato com Deus, e  ensina-lhe a lição enfático ao dizer que ele é alcançado através de um mediador. “O Senhor estava em cima dela”, e Jacó, o objeto de sua misericórdia, por baixo.

Primeiro. Ele se revela para o dorminhoco como “o Senhor” Gen_2: “. O Deus de Abraão, teu pai, e de Isaac” 4, é notável que Abraão é denominado de seu pai, isto é, seu avô real, e o pai de aliança.

Segundo. Ele renova a promessa da terra, da semente e da bênção em que a semente de toda a raça do homem. Oeste, leste, norte e sul são para eles  irromper. Isso aponta para a universalidade de expressão mundial do reino da descendência de Abraão, quando ela se tornará a quinta monarquia, que deve dominar tudo o que foi antes, e durará para sempre. Isso transcende o destino da semente natural de Abraão.

Terceiro. Ele então promete a Jacó pessoalmente que estará  com ele e vai , protegê-lo, e trazê-lo de volta em segurança. Este é o terceiro anúncio da semente que abençoa para o terceiro na linha de descendência Gen_12 :2-3; Gen_22: 18; Gen_26: 4.

Matthew Henry Commentary
Gn 28:10-15

Temos aqui Jacó em sua jornada rumo à Síria, em uma condição muito desolada, como aquele que foi enviado para tentar a sorte, mas nós achamos que, se ele estava sozinho, mas ele não estava sozinho, pois o Pai estava com ele, João 16:32 .


Se o que está aqui registrada aconteceu a primeira noite, ele tinha feito uma viagem longa de dia de Berseba a Betel, aproximadamente mais de de quarenta quilômetros. Providêncialmete ele foi  para um lugar conveniente, provavelmente sombreadas com árvores, para descansar mesmo naquela noite, e lá teve,


I. Um aposento rústico (Gen_28: 11), as pedras de seu travesseiro, e os céus para seu teto e cortinas.  Talvez isso não era tão ruim quanto parece como nós, mas nós devemos pensar,

1. Ele estava com muito frio, o chão frio de sua cama, e, o que seria de supor  faz a situação piorar, uma pedra fria para o seu travesseiro, e no ar frio.

2. Muito desconfortável. Se seus ossos doíam com a jornada do dia, sua noite de descanso iria, fazer sofrer mais.

3. Muito exposto. Ele esqueceu que ele estava fugindo de sua vida, porque podia o seu irmão, em sua fúria, perseguido-o, ou enviado um assassino depois dele, aqui ele estava pronto para ser sacrificado, ele estava com falta de abrigo e de defesa. Não podemos pensar que era por causa de sua pobreza que ele estava tão mal acomodados, mas,

(1). Foi devido à clareza e simplicidade humana  daqueles tempos,

(. 2) Jaco tinha sido particularmente exprimentado nas dificuldades, como um homem simples morava em tendas, e, planejando  agora  ir para o serviço, ele era o mais disposto a acostumado  a eles e, como ficou provado, ele estava bem, Gen 31: 40.

(. 3) Seu conforto na bênção divina, e sua confiança na proteção divina, tornou  fácil, mesmo quando ele se deitou, assim, expostos; a certeza de que seu Deus fez habitar em segurança, ele poderia deitar e dormir em cima de um pedra.

II. Em seu dificil alojamento  ele teve um sonho agradável.

Qualquer verdadeiro israelita estaria disposto a durmir com travesseiro de Jacó, desde que ele pudesse, ter  o sonho de Jacó.

Então, e lá, ele ouviu as palavras de Deus, e viu as visões do Todo-Poderoso. Foi a melhor noite de sono, que ele já teve em sua vida. Note, o tempo de Deus para visitar o seu povo com seus confortos é quando eles estão mais necessitados de  confortos e  consoladores; quando as aflições são de  forma direta (como eram) abundantes, então, consolações tanto mais abundam. Agora observe aqui,

1. O incentivo visão Jacó viu, Gen 28: 12. Ele viu uma escada que chegou da terra ao céu, os anjos subindo e descendo sobre ele, e Deus mesmo no topo  dela. Agora, isto representa as duas coisas que são muito confortáveis para as pessoas fieis em todos os momentos e em todas as condições:

– (1). A providência de Deus, por que há uma comunicação constante  que é mantida entre o céu e a terra. Os conselhos do céu são executados na terra, e as ações e os assuntos da terra são todos conhecidos no céu são executados na terra, e as ações e os assuntos da terra são todos conhecidos no céu e julgados lá. A providência faz o seu trabalho de forma gradual e por etapas.
Anjos são empregados como espíritos ministradores, para servir todos os propósitos e desígnios da Providência, e sabedoria de Deus está na extremidade superior da escada, dirigindo todos os movimentos de causas secundárias para a glória da primeira causa.

Os anjos são espíritos ativos, continuamente ascendentes e descendentes, não descansam, de dia nem de noite, de serviço, de acordo com as mensagens a eles atribuídos. Eles sobem, para dar conta de que eles têm feito, e de receber ordens, e depois descer, para executar as ordens que receberam. Assim, devemos sermos sempre abundantes na obra do Senhor, para que possamos fazê-lo como os anjos fazêm, sal 103:20, sal 103:21.

Essa visão deu um conforto muito oportuno para Jacó, revelando que ele tinha tanto um bom guia bom como um bom guarda, em seu sair e entrar,  que, embora ele havia saido da casa de seu pai, mas mesmo assim ainda era o cuidado de uma Providência do tipo, acargo dos santos anjos.

Este é um conforto suficiente, no entanto, não devemos admitir a noção de que alguns têm, que os anjos tutelar de Canaã subiam, depois de ter guardado Jacó  fora da sua terra, e os anjos da Síria descendo para levá-lo em sua custódia. Jacob era agora o tipo e representante de toda a Igreja, com a tutela de que os anjos são confiadas.

(2). A mediação de Cristo. Ele é a escada, o pé na terra em sua natureza humana, o topo do céu em sua natureza divina: ou o primeiro em sua humilhação, este último na sua exaltação. Todas as relações entre o céu e a terra, desde a queda, é por esta escada. Cristo é o caminho, tudo que Deus nos favorece vem até nós, e todos os nossos serviços vão para ele, por Cristo. Se Deus habita conosco, e nós com ele, é por Cristo. Nós não temos nenhuma maneira de chegar ao céu, mas por esta escada, se subir de outra maneira  são ladrões e salteadores. Para esta visão alude ao nosso Salvador, quando ele fala dos anjos de Deus subindo e descendo sobre o filho do homem (João 1: 51); para os mais diversos serviços, tipos os anjos fazem a nós, e os benefícios que recebem por seu ministério, são devido à Cristo, que nos reconciliou as coisas na terra e as coisas no céu (Col 1: 20), e fez com que todos se reúnem em si mesmo, Efesios 1: 10.

4- VOTOS COM DEUS

Eu sou o Senhor (13). A promessa da aliança, que tinha sido feita a Abraão e a Isaque, agora era transmitida ao próprio Jacó. Aquela deve ter sido uma experiência de incalculável valor para Jacó naquela ocasião. Sem dúvida ele já sabia a respeito da revelação feita sobre sua pessoa por ocasião de seu nascimento. Foi esse motivo religioso que o impeliu a fazer sua ação menos religiosa enganando seu pai. Por muitas vezes, entretanto, Jacó deve ter desejado ansiosamente possuir a certeza que lhe seria transmitida diretamente da parte de Jeová, conforme ele sabia ter sido o caso com seu pai e seu avô. O doce prêmio da bênção da primogenitura talvez já estivesse amargando em sua boca, em vista das memórias que o perseguiam sobre a maneira como ele forçara a bênção ser-lhe concedida. Mas agora, a despeito de todo seu próprio pecado e indignidade, Jacó ouviu a graciosa voz de Jeová transmitindo-lhe a promessa da aliança, até seu próprio coração.

5- UMA NOITE DE MUDANÇAS

A CONSAGRAÇÃO DE BETEL (Gn 28.16-22). Quão terrível (17). Um lugar de profunda reverência inspirada pelo senso da presença de Deus. E a pôs por coluna, e derramou azeite em cima dela (18). A “coluna” tinha o propósito de servir de memorial ao fato que Jeová se manifestara naquele local. A ação de Jacó esteve em harmonia com um antigo costume semítico quanto a esse respeito, ainda que sem os motivos animistas que algumas vezes sublinham tal costume. “Colunas” dessa espécie foram subsequentemente proibidas, porque se prestavam facilmente a serem usadas nos aviltantes ritos dos santuários cananeus. Ver Lv 26.1; Dt 16.22. – Betel (19). Betel era o lugar onde ocorreu o sonho, e Luz era o nome da cidade próxima. O nome Betel mais tarde foi transferido para a cidade (Jz 1.23).

6- EXPERIÊNCIAS QUE AMADURECERAM JACÓ

Jaco e os anjos . Vemos que jacó , apesar de ser , pelo visto, um homem de pouca espiritualidade, nunca foi abandonado por Deus, mas várias vezes na sua história acidentada teve experiências da intervenção divina.
Em 31.3, ao fim dos vinte anos de desterro ,Deus tornou a falar com ele, eo manda voltar à terra de seus pais.
No primeiro versículo do cap.32,”encontram-no os anjos de Deus” e no fim do capítulo, um anjo luta com ele.

Jacó chamou aquele lugar de “Manaim” : “dois bandos” , a saber, a comitiva da sua companhia , e a comitiva celestial: os anjos de Deus.
Neste misterioso conflito notemos o seguinte:

1) Jacó encontra-se a sós com Deus.
2)Jacó sentiu-se em conflito com Deus , e por isso devia conpreender que com ele havia coisas que Deus não aprovava.
3)Jacó quis conhecer mais perto esse que lutava com ele , e perguntou-lhe pelo nome.
4)jacó sentiu a urgente necessidade da bênçao divina.
5)jacó prevaleceu quando mais do que nunca sentiu a própria fraqueza.

O bispo Boyd Carpenter escreveu o seguinte sobre as duas experiências que jacó teve, uma visão em betel e a luta com o anjo :

“Em que posição achamos o estado espiritual de jacó na ocasião deste segundo incidente sobrenatural da sua vida?  Durante o primeiro período ele era um simplesmente um homem do mundo . Depois da visão em betel, era um homem religioso : via-se na sua vida uma influência  religiosa.

Depois do conflito no val de jaboque chegou a ser um homem espiritual. Estava voltando para sua terra , sentindo na alma o peso do seu pecado sem perdão, sem purificação.

Betel era a casa de Deus , onde aprendeu que nao podia pisar um pedaço qualquer da terra sem descobrir que o governador do mundo estava ali .
Em betel jacó disse : ‘ se Deus for comigo e me guardar’. Em jaboque seu primeiro pensamento era : ‘ Dá-me , peço-te,a saber o teu nome ! Ele desejava conhecer mais de Deus , e não receber mais de Deus .

Após o o ultimo encontro de jacó dom o senhor ele saiu com duas mudanças imediatas.

1) com um novo nome
2) com uma marca na coxa.

Apartir daquele dia as pessoas veriam ele diferente , pois com um nove nome quem é que não vai comentar, e prinçipalmente manco.
Imagino as pessoas dizendo a ele esta velho , esta manco , mas imagino ele dizendo estou marcado mas estou com um novo nome , estou manco , mas estou com Deus.

 

CURIOSIDADES

Mandrágoras

Mandrágoras : Segundo crenças antigas, estas frutas faziam férteis às mulheres.

H1736 (Strong Português)
H01736 ???? duwday ou (plural) ?????
procedente de 1731; DITAT – 410d; n m
1) mandrágora, fruta do amor
1a) como excitante do desejo sexual, e favorecendo a procriação

Raquel tentou usar mandrágoras (dudei’im) para induzir a fertilidade. Essas mandrágoras eram popularmente chamadas de “maçãs do amor”.(segundo a Septuagina) Ryle diz: “A mandrágora é uma planta tuberosa, como fruto amarelo semelhante à ameixa. Supunha-se que agia como um talismã do amor. Amadurece em maio, o que está de acordo com a menção (v. 14) dos dias da ceifa do trigo” (Cambridge Bible, in loco). Raquel continuou estéril apesar do supersticioso talismã . A situação estava nas mãos do Senhor e Ele não permitiria que tentativas humanas a mudassem.

Rachel estava tão desejosa dessas “mandrágoras”, que parecem ter o seu nome “dudaim” do amor: a palavra é apenas usado aqui e em Cantares 7: 13; onde são elogiados por seu cheiro bom;