Trama – Intriga, enredo: a trama de uma tragédia. / Conjunto emaranhado: a trama dos acontecimentos.

Intriga – Maquinação secreta para obter alguma vantagem ou para prejudicar alguém. / Insídia, cilada. / Encadeamento de fatos e ações que formam a trama

Resumo

O mandamento bíblico é “honra a teu pai e a tua mãe…” Ex. 20.12/Dt 5.16, citado até por Jesus em Mt 15.4/Mc 7.10 e lembrado pelo Apóstolo Paulo em Ef 6.2, destacando a promessa advinda pelo cumprimento desse dever. O sábio conselho de Salomão, inspirado por Deus, é “Ouve a teu pai, que te gerou; e não desprezes a tua mãe, quando ela envelhecer.” Pv 23.22

O pai, especialmente na tradição do Antigo Testamento, era detentor da benção, tal o simbolismo e reverência que havia na figura do patriarca. Eles abençoavam seus filhos com o desejo de prosperidade moral, espiritual e social, e os dotava de bens conforme suas posses (Gn 27.7, 27-28…, 28.1, 48.15,20 e 49). Os primogênitos eram mais recompensados.

Era também o pai quem repassava as experiências com Deus e mais tarde os ensinamentos da Lei a seus filhos. Veja o que disse o rei Davi, já velho e cansado, a seu filho e futuro rei Salomão: “E tu, meu filho Salomão, conhece o Deus de teu pai, e serve-o com coração perfeito e espírito voluntário; porque o Senhor esquadrinha todos os corações, e penetra todos os desígnios e pensamentos. Se o buscares, será achado de ti; porém, se o deixares, rejeitar-te-á para sempre.” I Cronicas 29.29
Gênesis 27

Versículos 1-5

As promessas do Messias e da terra de Canaã tinham passado a Isaque. Agora tinha uns 135 anos de idade e seus filhos, por volta de 75. não tendo considerado devidamente a palavra divina referida a seus dois filhos de que o maior serviria o menor, resolveu dar toda a honra e o poder que havia na promessa a Esaú, seu filho mais velho. Nós somos muito bons para tomar medidas conforme a nosso próprio arrazoar mais que segundo a revelação divina e, por isso, perdemos freqüentemente nosso caminho.

Versículos 6-17

Rebeca sabia que a bênção estava preparada para Jacó e esperava que ele a obtivesse. Porém, fez mal a Isaque ao enganá-lo; fez mal a Jacó ao tentá-lo para que agisse errado. Pôs uma pedra de tropeço no caminho de Esaú e lhe deu um pretexto para odiar a Jacó e aborrecer a religião. Todos eram culpáveis. Era uma daquelas medidas retorcidas que amiúde se adotam para fazer progredir as promessas divinas; como se o fim justificasse os meios, ou escusasse os médios incorretos. Assim, pois, muitos têm agido errado com a idéia de serem úteis para fomentar a causa de Cristo. A resposta a todas essas coisas é a que Deus dirigiu a Abraão: “Eu sou o Deus Todo Poderoso; anda diante de mim e sé perfeito”.
Foi um dizer muito apressado de Rebeca: “Filho meu, seja sobre mim tua maldição”. Cristo tem carregado a maldição da lei por todos os que se amarram ao jugo do mandamento, o mandamento do evangelho. Mas é demasiado ousado que uma criatura diga: “seja sobre mim tua maldição”.

Jacó e Esaú. 27:1-46.1-17. Tendo-se envelhecido Isaque .. . chamou a Esaú.

É difícil imaginar todo o sofrimento, agonia e cruel desapontamento envolvidos nesta narrativa pitoresca. O velho patriarca, cego e trôpego, fez planos de transmitir as sagradas bênçãos ao seu filho primogênito. Mas a astuciosa Rebeca, que ouviu as instruções dadas a Esaú, imediatamente resolveu subverter e frustrar seus planos. Jacó, seu filho predileto, já tinha o direito de primogenitura; ela determinou que ele também receberia a bênção oral, dos lábios do representante do Senhor, para que tudo ficasse em ordem com a herança divina. Ela não podia arriscar-se esperando que Deus realizasse Seus planos à Sua maneira. Por isso apelou para a mais desprezível mentira a fim de assegurar-se da bênção para o seu filho mais moço.
Versículos 18-29
Com certa dificuldade, Jacó conseguiu seu propósito e obteve a bênção. Esta bênção é em termos muito gerais. Não se mencionam as misericórdias distintivas da aliança com Abraão. Isto poderia ser devido à forma em que Esaú tinha desprezado as melhores coisas. Além disso, sua inclinação por Esaú, a ponto de não levar em conta a vontade de Deus, deve ter enfraquecido enormemente sua própria fé nessas coisas. Portanto, poderia esperar-se que a escassez estivesse em sua bênção, concordemente com seu estado mental.

18-29. Respondeu Jacó . . . Sou Esaú, teu primogênito.

Apoiado por sua mãe, Jacó compareceu diante de seu velho pai com enganos e mentiras. Chegou até a declarar que Jeová o ajudara nos rápidos preparativos. Depois de mentir a seu pai, depositou um beijo falso sobre o rosto do velho homem.

34-40. E, levantando Esaú a voz, chorou

Quando Esaú compreendeu que Jacó tinha obtido a bênção, clamou com um muito grande e amargo choro. Vem o dia em que os que assumem com volubilidade as bênçãos da aliança e trocam seu direito às bênçãos espirituais pelo que carece de valor, em vão as pedirão com urgência. Isaque tremeu muito quando percebeu o engano que lhe fizeram. Os que seguem a opção de seus próprios afetos mais que a vontade divina, acabam em confusão. Porém ele logo se recuperou e confirmou a bênção que tinha dado a Jacó dizendo: Eu o abençoei e será bendito.
Os que se afastam de sua sabedoria e de sua graça, de sua fé e da boa consciência, em aras das honras, as riquezas ou os prazeres deste mundo, por mais que finjam zelo pela bênção, tem sido julgados indignos dela e sua condenação será a que lhes corresponda.
Uma bênção comum foi dada a Esaú. Era o que desejava. Os desejos fracos de felicidade sem a eleição correta do fim, e o uso correto dos médios, enganam a muitos levando-os a sua própria ruína. As multidões vão para o inferno com suas bocas cheias de bons desejos.
A grande diferença é que não há nada na bênção de Esaú que aponte a Cristo; e sem isso, a gordura da terra e o produto do campo valem de bem pouco. Assim, pois, por fé Isaque abençoou a seus dois filhos, segundo o que devia ser sua sorte.

(v. 38). A tragédia de Esaú era que ele estava completamente ignorante da santidade da bênção, e só desejava as vantagens que esta lhe proporcionaria. A dor profunda que sentia por Jacó ter-lhe passado a perna da obtenção da primogenitura, Seu amargo desapontamento, seus soluços patéticos e ardente vergonha que logo se transformaram em ódio intenso e desejo de vingança são profundamente comoventes.

Rebeca

A Bíblia mostra Rebeca como sendo uma mulher com as seguintes características:
1)       Bela – “E a donzela era mui formosa à vista, virgem, a quem homem não havia conhecido; e desceu à fonte, e encheu o seu cântaro e subiu” (Gn 24.16).
2)        Trabalhadora – “E, acabando ela de lhe dar de beber, disse: Tirarei também água para os teus camelos, até que acabem de beber” (Gn 14.19).
3)         Hospitaleira – “Disse-lhe mais: Também temos palha, e muito pasto, e lugar para passar a noite” (Gn 24.25).
4)       Decidida – “E chamaram Rebeca e disseram-lhe: Irás tu com este varão? Ela respondeu: Irei” (Gn 24.58).
5)        Modesta – “E disse ao servo: Quem é aquele varão que vem pelo campo ao nosso encontro? E o servo disse: Este é meu senhor. Então, tomou ela o véu e cobriu-se” (Gn 24.65).
Apesar de todas estas características, sua precipitação e falta de confiança no Senhor acabou por trazer problemas em seu lar e assim, não somente ela, mas também Jacó acabaram colhendo as conseqüências de seus atos.

Jacó

Perceberemos que até este incidente Jacó ainda não era transformado realmente…
1) Naturalmente astucioso (Gn 25.31-33)
2) Enganador (Gn 27.18-29)
3) Colheu resultado do
seu próprio pecado (Gn 27.42.43)
4) Tornou-se religioso (Gn 26.10,20,21)
5) Afetuoso (Gn 29.18)
6) Industrioso (Gn 31.40)
7) Habituado a orar (Gn 32.9-12)
8) Disciplinado pela aflição (Gn 37.28; 42.36)
9) Homem de fé (Hb 11.21)

Ajudas Adicionais

a) Jacó na casa paterna (Gn 27.1-46)

1. JACÓ CONSEGUE A BÊNÇÃO DE SEU PAI POR MEIO DE ENGANO (27.1-29). Isaque envelheceu (1). Comparando-se #Gn 25.26 com #Gn 26.34, parece que então Isaque já tinha mais de cem anos de idade, mas ele viveu até os 180 anos (ver #Gn 35.28). Isaque deve ter pensado que estava prestes a morrer (4,41) mas parece ter-se recuperado. Para que minha alma te abençoe (4). A despeito da profecia (#Gn 25.23), parece que Isaque estava determinado a dar a bênção a Esaú. Diante da face do Senhor (7). Essas palavras, proferidas por Rebeca, eram cheias de significado para Jacó, dotado de mente religiosa, e sua adição, por sua habilidosa mãe, não deixaram de ter seu desígnio. Emprestaram uma solenidade a mais. Vestidos de gala (15). Provavelmente aqui é indicada uma veste oficial como a que seria usada pelo primogênito de uma família nas ocasiões festivas ou solenes. Porque o Senhor teu Deus a mandou ao meu encontro (20). O enganoso plano de Jacó não foi habilidoso bastante. Não era costume de Esaú apelar para frases pias daquela espécie, e Isaque, que conhecia o caráter geral de Esaú, ficou incerto e preocupado em sua mente (21,22). Sirvam-te povos (29). A essência da bênção da primogenitura consiste justamente nesse domínio.
Gn-27.30
2. ENTREVISTA DE ESAÚ COM ISAQUE (#Gn 27.30-40). Abençoei-o: também será bendito (33). A bênção patriarcal era irrevogável. Essa é a significação de #Hb 12.17: “não achou lugar de arrependimento”. Por mais que o tentasse, Esaú não podia conseguir uma mudança na atitude da mente de seu pai. Isaque percebeu que, a despeito de seus esforços para torcê-la, a vontade de Jeová tinha sido feita, e que a bênção certamente deveria permanecer sobre Jacó. Me enganou (36). Mais apropriadamente “conseguiu primeiro”: ver 25.26n. Quando te libertares (40). A despeito dessa frase hebraica incerta, tem havido dúvidas, mas aqui está razoavelmente bem traduzida. Haveria de haver ocasiões quando Edom se livraria temporariamente do jugo do domínio de Israel.

O pecado dos quatro participantes:
1)       A parcialidade teimosa de Isaque
2)       A Negligência de Esaú ao querer andar por seu próprio caminho
3)       O engano de Rebeca
4)       A Ambição de Jacó

Os elementos da bênção

1)       A promessa de fartura , que presumia possessão da terra (veja Gn 17.8) e bênção da fertilidade
2)       A promessa de domínio, repetindo a promessa feita a Abraão (Gn 22.17) acrescida de que aquele que estava sendo abençoado reinaria sobre o restante de sua família;
3)       Um contraste entre bênção e maldição, que repetia a primeira chamada de Abraão (Gn 12.3)

No capítulo 27 de Genesis ensina – nos claramente que:

1)       Não é da vontade de Deus que façamos o mal, esperando que isso advenha o bem (Rm 6.1,2)
2)       Esteja-se certo de que o pecado acha o pecador (Nm 32.23), pois todos os envolvidos que pecaram sofreram amargamente;
3)       Andemos na luz como Ele na luz está (1 Jo 1.7)
4)       O Senhor reina (Is 40.25-28)

Bibliografia
O novo comentário da Bíblia – F Davidson
Comentário Bíblico do AT 1 – Gênesis a Neemias  – Matthew Henry
Comentário Bíblico Moody